Emília, a boneca que virou gente e roubou a cena no Sítio do Pica-Pau Amarelo

Emília, a boneca que virou gente e roubou a cena no Sítio do Pica-Pau Amarelo

Emília, a boneca que virou gente e roubou a cena no Sítio do Pica-Pau Amarelo

Quando se pensa no Sítio do Pica-Pau Amarelo é praticamente impossível não vir a memória a imagem da Emília, a mais famosa boneca que virou gente do Brasil, e foi criada por Monteiro Lobato, em 1920, com a publicação do livro "A Menina do Narizinho Arrebitado".

Nesta sequência sobre os principais personagens do Sítio do Pica-Pau Amarelo, chegou a hora de falar da boneca de pano, que nasceu com cerca de 40 centímetros, das mãos hábeis da Tia Nastácia, feita de uma saia velha recheada com flores de macela – a camomila brasileira – para Narizinho, que vivia muito solitária no Sítio. Cansada de conversar com a boneca e não ter respostas, Narizinho levou Emília até Reino da Agua Claras onde o Doutor Caramujo, médico do reino, deu uma pílula falante para a boneca, que imediatamente disse sua primeira frase: Que gosto horrível de sapo na boca!". Daí pra frente Emília não parou mais de falar! Preocupada com a tagarelice desenfreada de sua boneca, Narizinho chegou a pedir ao doutor que a fizesse vomitar aquela pílula e lhe desse uma mais fraquinha, mas foi convencida pelo Caramujo de que aquilo se tratava apenas de fala recolhida”, que precisava sair de qualquer jeito e que logo passaria.

Na evolução para se tornar gente, além de tagarela, Emília se mostra dona de uma personalidade forte, assim como Monteiro Lobato. Aliás alguns estudiosos sobre o autor, afirmam que ela seria a própria personificação da força, da astúcia e do pensamento crítico de Monteiro Lobato.

Curiosamente, de acordo com o professor Osni Lourenço Cruz, pesquisador da vida e obra do escritor, há uma carta datada de 1º de fevereiro de 1943, onde Lobato relata que todos os seus personagens foram criados ao acaso, sem intenções. E sobre Emília, ele escreveu:

[...] Emília começou uma feia boneca de pano, dessas que nas quitandas do interior custavam 200 réis. Mas rapidamente evoluiu, e evoluiu cabritamente - cabritinho novo - aos pinotes. Teoria biológica das mutações. E foi adquirindo uma tal independência que, não sei em que livro, quando lhe perguntaram: Mas quem você é, afinal contas, Emília? ela respondeu de queixinho empinado: Sou a Independência ou Morte!” Apesar disso, encontramos um certo indício para a origem do nome Emília, dado à boneca, em uma citação do escritor Carmo Chagas no livro "Os Oliveira Costa de Taubaté”: "Na casa de Antonieta Bernardes, grande amiga de Maria Eudoxia, trabalhou uma moça negra chamada Emília, que na infância foi companheira de brinquedo dos filhos de Monteiro Lobato e dizia-se em Taubaté, deu seu nome à endiabrada boneca falante”. Fato é que Monteiro Lobato encontrou inspiração para os seus personagens na sua imaginação, vivencia e nas suas leitura. Para os nomes de seus personagens parece ter encontrado inspiração nos tipos taubateanos, mas daí em diante,

tudo paira no campo das especulações. Falando sobre a nossa personagem, Emília se mostra desde o princípio, muito determinada e independente, uma representação feminina que seu criador defendia, bem diferente do que acontecia naquela época, quando as mulheres eram completamente submissas e como as crianças, nem sequer podiam expressar suas opiniões.

Circulando entre o mundo real e o imaginário, a boneca-gente pensa como ser humano, vive de modo irreverente, faz o que – e quando – quer, além de ter um comportamento totalmente repreensível para um adulto, muito parecido ao de uma criança mal criada. Emília é extremamente teimosa e as vezes até mesmo egoísta, e quando questionada sobre quem realmente é, sem pestanejar, tem a resposta na ponta da língua: Sou a independência ou Morte!”, como se quisesse de fato bater de frente com os conceitos e costumes da época.

Através da mente brilhante de Monteiro Lobato, a irreverente Emília se torna protagonista em diversos livros da coleção, mas é destaque em seus próprios, como Emília no País da Gramática (1934), Aritmética da Emília (1935) e Memórias de Emília (1936), onde tem sua biografia escrita pelo Visconde de Sabugosa. Ela ganhou títulos de nobreza como a Condessa das Três Estrelinhase Marquesa de Rabic’ó. Pouca gente talvez saiba, mas Emília também tem alguns apelidos engraçados criados por ela própria, como: bailarina equestre, trapezista de circo, fada de pano, botadeira de nomes, inventadeira de idéias, olhadeira telescópica, caçadora de Saci, mandadeira de cartas, escrevedora de memórias e redatora chefe do jornal Grito do Picapau Amarelo.

Evidente que Emília não se contentou com o mero papel de dama de companhiada menina do nariz arrebitado, deixou de lado os padrões daquele tempo, rompendo com o estereótipo de boneca frágil e delicada, para assumir, não se sabe se ao acaso ou intencionalmente, a posição de protagonista nas fábulas mais extraordinárias da literatura infantil brasileira.

E podemos ir além. Como já abordamos em outro texto sobre as personagens femininas criadas por Lobato, Emília, D. Benta, Tia Anastácia e Narizinho, ignoram todos os padrões impostos pela dominância machista do período em que foram criadas, que viam a mulher como um ser frágil e totalmente dependente. Com extrema ousadia, elas dividem espaço com os demais personagens masculinos, enfrentando as mesmas dificuldades e êxitos, com seus defeitos e qualidades, despertando nas crianças emoções que as estimulam a refletir, aprender e dialogar com os seus próprios valores. Assim a falante boneca de pano que virou gente, segue ainda hoje encantando e inspirando gerações, para orgulho do seu criador e o deleite de seus leitores, como nós, meros mortais.

...........................................................................................................................................................

REFERÊNCIAS

Prof. Osni Lourenço Cruz – “Na trilha de Lobato”
https://pt.wikipedia.org/wiki/Em%C3%ADlia_(personagem)
https://linguaportuguesa.digital/glossario/emilia-de-monteiro-lobato