“Negrinha” em sala de aula; uma experiência para quebrar preconceitos

“Negrinha” em sala de aula; uma experiência para quebrar preconceitos

“Negrinha” em sala de aula; uma experiência para quebrar preconceitos

“Negrinha” em sala de aula; uma experiência para quebrar preconceitos

A ideia deste texto é compartilhar com educadores, uma experiência bastante interessante, de como o professor pode utilizar o conto antirracista Negrinha, de Monteiro Lobato, para discutir com seus alunos, em sala de aula, a situação atual do preconceito e do racismo no Brasil.

Entre as inúmeras pesquisas que analisam essa temática na obra de Lobato, encontramos a dissertação, apresentado pela professora Tatiane Cristina da Costa, para o Mestrado em Letras, na Escola de Filosofia, Letras e Humanas da Universidade Federal de São Paulo, em 2019, intitulado: Negrinha na sala de aula: estímulo ao preconceito ou à reflexão?”.

Conduzida em sala de aula, essa experiência possibilitou uma análise sobre a recepção dos estudantes em relação a esse famoso conto lobatiano, com a intenção de observar como e a partir de quais recursos esses estudantes, construiriam hipóteses interpretativas sobre o texto, em especial no que diz respeito à questão racial.

A ideia, de acordo com a pesquisadora, foi justamente verificar se a leitura do conto Negrinha estimularia ou não o racismo, se contribuiria ou não para uma reflexão acerca do tema entre os próprios estudantes. Esse trabalho foi desenvolvido durante dois dias e envolveu um grupo de alunos, a maioria com 17 anos de idade, de uma escola técnica (ETEC), localizada no bairro Paraisópolis, na cidade de São Paulo, em dezembro de 2018. O grupo, formado em sua maioria, por estudantes que se declararam afrodescendentes, estudaram em escolas públicas durante o Ensino Fundamental e na maior parte, eram de famílias com renda de até 2 salários mínimos mensais para o seu sustento, o que faz com que elas sejam consideradas de renda salarial baixa.

A pesquisa aconteceu em dois momentos distintos. No primeiro, os alunos receberam o conto Negrinha para uma leitura individual e silenciosa da narrativa, devendo, quando julgassem necessário, fazer anotações sobre todas as observações que tiveram. É importante dizer, que o grupo ainda não tinha lido a obra e nem recebeu qualquer tipo de influência que pudesse direcionar sua interpretação. Foram então formuladas questões para ouvir os comentários com relação a linguagem, enredo, estrutura, personagens, autor e sentimentos que o conto despertou.

Após a leitura, os alunos revelaram que se sentiram muito tocados pelos maus tratos e abusos sofridos pela menina, que a narrativa mexeu muito com o sentimento deles, despertando compaixão e até mesmo a vontade de chorar durante a leitura. Palavras diferentes, pouco ou nunca ouvidas por eles, chamaram a atenção, mas não foram empecilho para que pudessem identificar o significado delas.

O estudo identificou que a leitura de Negrinha despertou nos alunos percepções importantes como a corrupção dos homens pelo meio, a valorização de coisas simples, como o brincar de bonecas, a tolerância em meio as maldades sofridas pela protagonista e inclusive o papel da mulher na sociedade da época. Outros temas importantes como a

frustração de Dona Inácia por não ter filhos e descontar na pobre menina esse sentimento, o racismo dessa personagem (e não do autor), o conformismo da própria Negrinha que se sentia culpada e merecedora dos maus tratos sofridos por tanto ouvir da dona da casa que esse tratamento servia para educá-la, a transformação pelo brincar tambem foram discutidos pelo grupo.

Não foi necessária, de acordo com a professora que realizou a pesquisa, qualquer explicação ou introdução dos temas aos alunos, que pelo contrário, se mostraram autônomos, críticos e maduros para que houvesse uma leitura sem a necessidade de intervenções. Os procedimentos didáticos utilizados nessa atividade privilegiaram a leitura individual e a livre interpretação do texto por parte dos estudantes. Vale ressaltar ainda, que de acordo com educadores, a ironia presente ao longo de toda a narrativa, é uma das modalidades mais difíceis de ser identificada, porque ela exige maturidade do leitor. Mas apesar disso, os estudantes conseguiram identifica-la na leitura.

RESULTADOS DO SEGUNDO MOMENTO ESTUDO

O segundo momento contou com a construção coletiva do contexto histórico-social da década de 1920. Foram levantadas várias questões importantes como o crescimento das cidades, a marginalização do campo, a abolição da escravatura, a situação precária dos negros após a abolição e a mão-de-obra imigrante no Brasil. Após as discussões a respeito desse contexto histórico, no qual o conto foi escrito, os alunos fizeram uma reflexão, tendo como foco principal o papel do negro na sociedade da época.

Os alunos identificaram a falta de amparo da sociedade e do governo aos ex-escravos, após a abolição, apontando essa a causa para que eles passassem a viver à margem da sociedade e continuassem a sofrer com os maus tratos nas próprias fazendas. Questionados se a impressão que tiveram inicialmente do conto após a discussão do segundo dia havia mudado alguma coisa, os alunos afirmaram que nada havia mudado e alguns inclusive se mostraram convencidos de que o texto havia sido escrito para conscientizar as pessoas e apresentar a realidade dos negros no nosso país.

Os alunos também foram questionados se acreditavam que o foco do livro seria mesmo discutir o preconceito racial ou se o conto seria fruto do suposto racismo do autor. A conclusão, foi a de que o preconceito racial era o foco do livro, porque a maneira como a personagem Negrinha foi retratada, fez a maioria deles ter simpatia por ela, chegando inclusive a chorar durante a leitura por compaixão à menina, o que não ocorreria se o autor fosse realmente racista.

A atividade evidenciou, a partir das afirmações feitas pelos próprios participantes da pesquisa, que as discussões sobre o preconceito racial são muito incipientes e que o estudante reconhece a necessidade desse tipo de debate para que o problema possa ser efetivamente combatido. O texto apresentado ao grupo foi um ponto de partida importante para as reflexões sobre esse assunto e também sobre o autor mostrando que a leitura deste conto nas escolas pode despertar a criticidade dos jovens leitores, algo que o próprio autor sempre buscou.

As conclusões desse estudo, demonstraram ainda que os jovens gostam de participar e expor suas opiniões, deixando claro o quanto apreciam ser ouvidos e também ter suas opiniões respeitadas. Esse fato é um indicativo claro da necessidade de se

fomentar a leitura e a interpretação dos mais variados textos nas salas de aula em todo o Brasil. Mas o foco precisa ser não apenas despertar nos nossos estudantes o hábito pela leitura e sim, desenvolver nesses jovens leitores o senso crítico e intelectual, atributos fundamentais na formação de cidadãos verdadeiramente atuantes em nossa sociedade.

Para acessar o conteúdo completo desse estudo realizado pela professora Tatiane Cristina Costa, basta acessar este link: https://monteirolobato.com/wp-

Aproveite e conheça outros estudos interessantes para ajudar a você a dinamizar suas aulas, além de navegar pelo nosso site!

DICA PARA EDUCADORES

Para ler os textos de Lobato, é preciso antes entender o momento histórico vivenciado pelo escritor, suas convicções políticas, sua poética, seu projeto literário e a importância de sua iniciativa para a formação do mercado editorial brasileiro. Seus textos dialogam com o contexto histórico das décadas de 1920, 1930 e 1940, período onde tivemos a Segunda Guerra Mundial, as intervenções de Getúlio Vargas e a mentalidade escravocrata que permeava as relações sociais.

Nunca é demais lembrar, que aula de literatura é também aula de história, sociologia, geografia e filosofia. Conhecer um pouco mais de Lobato, sua fortuna crítica, livros e artigos de estudiosos como Marisa Lajolo, Milena Martins, Leonardo Arroyo, Cassiano Nunes, Nelly Novaes Coelho, Regina Zilberman, João Luis Ceccantini, Cilza Bignotto e Vanete Santana Dezmann entre outros, podem oferecer ao educador um curioso panorama sobre as diversas facetas do escritor a ponto de enriquecer a prática educativa.

...........................................................................................................................................................

REFERÊNCIAS:

https://monteirolobato.com/wp-content/uploads/2021/08/DISSERTACAO-FINAL-Tatiane-