Viva o Dia do Saci, o Halloween brasileiro!

Viva o Dia do Saci, o Halloween brasileiro!

Viva o Dia do Saci, o Halloween brasileiro!

O que celebrar no dia 31 de outubro: o Halloween ou o Saci?

Se pudéssemos perguntar a Monteiro Lobato, certamente ele responderia: VIVA O SACI!

Comemorado no dia 31 de outubro, o Halloween é um tradicional evento muito celebrado em países norte-americanos por crianças e jovens que se fantasiam e batem de porta em porta a fim de ganhar doces. No entanto, no Brasil, outra comemoração também se destaca na data: o Dia do Saci.

Nacionalista convicto, numa época de formação do conceito de brasil-nação, Lobato foi o primeiro a se dedicar em traduzir da cultura oral para a escrita o mito do Saci, que graças aos livros do escritor, ganhou projeção nas grandes cidades do Brasil e internacionalmente, através das histórias do Sítio do Pica-Pau Amarelo, que foram também adaptadas com enorme sucesso para a TV.

Comum em países de língua anglo-saxônica, como os Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, a celebração do Halloween já acontecia nos países latinos de modo mais tímido e no Brasil, por exemplo, era chamado de “Dia das Bruxas”, passando quase despercebido entre as comemorações brasileiras.

A data foi sendo aos poucos introduzida no nosso país em meados do século XX, por meio de filmes, séries de TV e outros produtos culturais estrangeiros, principalmente dos Estados Unidos, despertando a atenção do comércio que viu nessa celebração, uma oportunidade de negócio.

Apesar do sucesso entre os mais jovens, essa onda crescente logo provocou críticas à implementação de uma festa da cultura estrangeira no cenário cultural brasileiro, desencadeando uma forte movimentação política para transformar o dia 31 de outubro no Dia do Saci, a fim de valorizar a cultura do nosso país, representada pelo nosso folclore.

Para explicar essa ‘invasão cultural’, há um conceito esboçado pelo teórico estrategista de relações internacionais, Joseph Nye, chamado de soft power, que normalmente se traduz como “poder brando”. Esse termo diz respeito a um conjunto de iniciativas não militares ou econômicas, que permitem que um Estado atinja seus interesses de política externa. Em resumo: o soft power está relacionado à capacidade de um país ter influência direta em outros por meio da sua cultura, sua capacidade de se projetar para o mundo. Um exemplo é a poderosíssima indústria cultural estadunidense, com produções de Hollywood e de séries de TV, que chegam ao Brasil com cada vez mais frequência. Esse poder se manifesta também na influência acadêmica, como a leitura e o intercâmbio de pesquisadores.

Alexandre Ganan Figueiredo, historiador e pesquisador de pós-doutorado pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, descreve também como elemento desse tipo de influência a exportação de um estilo de vida ideal, apresentado como um modelo a ser copiado, como é o caso da comemoração do Halloween no Brasil. Entretanto o Dia das Bruxas ou Halloween, não possui qualquer relação com as tradições e a formação cultural brasileiras, não sendo portanto uma manifestação usual.

É justamente a partir dessa percepção que em 2003, foi apresentado pelo deputado federal por São Paulo, Aldo Rebelo, um projeto de lei para a celebração nacional, no dia 31 de outubro, do Dia do Saci, um dos mais conhecidos personagens do folclore brasileiro. A época a matéria acabou arquivada, mas a inciativa repercutiu nacionalmente e a data passou a ser celebrada mesmo não sendo oficial.

Bruno Baronetti, pesquisador e doutorando em História Social pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, vê o Dia do Saci como uma resposta à indústria cultural estadunidense em um momento no qual filmes de grandes franquias, com personagens do imaginário do Halloween, como os vampiros, começavam a ganhar força por aqui. “Além disso, havia uma percepção de que cada vez mais escolas do ensino básico valorizavam o Dia das Bruxas no modelo norte-americano”, explica o pesquisador.

Tendo o Brasil um folclore muito rico, com lendas e histórias vindas da miscigenação entre diversos povos, o que é próprio da nossa formação como país, uma questão ganhou força: “Por que não promover uma reflexão sobre o papel da cultura nacional?”.

Incomodado com a “invasão cultural representada pelo Halloween no Brasil", o jornalista e geógrafo Mouzar Benedito, e um grupo de amigos, decidiram fundar em 2003, na cidade de São Luiz do Paraitinga, no interior paulista, a Sociedade de Observadores de Saci (Sosaci). A entidade tem como objetivo não deixar morrer a cultura do personagem, popularizado através da obra de Monteiro Lobato e nesse mesmo ano, foi aprovada, naquela cidade, a primeira lei municipal instituindo o dia 31 de outubro, como o Dia do Saci.

A iniciativa acabou sendo replicada em outros municípios e no ano seguinte, uma lei semelhante foi aprovada também na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

Estudos folclóricos no Brasil, desde o início do século 20, através do Movimento Folclórico Brasileiro, e grandes estudiosos, como Mário de Andrade e Edison Carneiro, buscam a inserção desses temas nas escolas.

O Dia do Saci tem o papel de estimular, de resgatar a nossa cultura, fazendo um contraponto a esse projeto colonizador e imperialista que busca inserir aqui elementos alheios à nossa cultura.

A ideia de quem defende o dia 31 de outubro como o Dia do Saci, não é acabar com o Halloween, mas sim criar um contraponto para que as crianças, além da tradição estrangeira, passem a ter contato também com tradições e culturas nacionais.

Em 2017, o historiador e então deputado federal pelo Rio de Janeiro, Chico Alencar, apresentou um outro Projeto de Lei instituindo nacionalmente a data de 31 de outubro, como o Dia do Saci, destacando a importância de se recuperar, na figura desse personagem folclórico, a luta contra a escravidão e todas as formas de opressão, além do fortalecimento da identidade nacional.

"Nossa mentalidade colonizada e subalterna ainda prevalece. Portanto, a luta pelo reconhecimento e valorização do Saci prossegue e ainda tem de vencer muitas etapas até se construir no novo imaginário popular", comentou à época em que apresentou a proposta.

Para o professor Fernando Pereira, especialista em Cultura Brasileira do Mackenzie, os grupos que se esforçam para resgatar figuras do folclore nacional fazem um trabalho fundamental e imprescindível, afinal a história de qualquer país está intimamente ligada ao seu folclore, as suas tradições, crenças e costumes.

Defender a celebração do Dia do Saci, esse personagem que é a mais perfeita representação da miscigenação brasileira – índio, negro e europeu –, não significa combater a introdução de outros elementos na nossa cultura. Afinal, o Brasil é um país de vários contrastes, uma verdadeira colcha de retalhos sócio culturais. Apenas não é aceitável permitir que um elemento puramente comercial supere manifestações folclóricas, nascidas do imaginário popular e de tradições históricas.

Nesse processo de preservação dos nossos valores culturais e das nossas tradições, pais e professores têm um papel fundamental. Não é proibido o novo, mas não podemos em hipótese alguma esquecer o antigo. E para isso, o ideal é que temas relacionados ao folclore não sejam abordados por escolas e professores apenas em datas comemorativas, mas que façam parte do cotidiano escolar. Não podemos simplesmente tratar de modo superficial ou até mesmo ignorar a importância do nosso folclore na criação da identidade cultural do nosso país.

Aproveitando toda essa onda nacionalista que atualmente tomou conta do nosso país, fica aqui o convite para que possamos refletir também sobre essa questão e mais do que celebrar o Saci, valorizar a nossa própria cultura.

Por fim, resgatamos aqui um pensamento do escritor, ator e teatrólogo Plínio Marcos para aguçar ainda mais essa reflexão: “um povo que não ama e preserva as suas formas de expressão mais autênticas jamais será um povo livre”. 

...........................................................................................................................................................

FONTES:

https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2020/10/29/interna_nacional,1199456/como-o-dia-do-saci-quer-rivalizar-com-o-halloween-no-brasil.shtml

https://www.correiobraziliense.com.br/diversao-e-arte/2021/10/4955568-entenda-o-motivo-do-halloween-e-dia-do-saci-serem-comemorados-na-mesma-data.html

https://jornal.usp.br/atualidades/no-brasil-halloween-ofusca-folclore-brasileiro/
https://www.transitoaberto.com.br/saci-perere-x-halloween/