Dona Benta, a grande educadora do Sítio do Pica-Pau Amarelo

Dona Benta, a grande educadora do Sítio do Pica-Pau Amarelo

Dona Benta, a grande educadora do Sítio do Pica-Pau Amarelo

O estereótipo da vovó cansada, sempre sentada, perdida em seus bordados, que pouco se movimenta, mais escuta do que discute e que quando fala é para contar algum acontecimento vivido por ela no passado, foi totalmente ignorado por Monteiro Lobato ao criar a personagem Dona Benta.

É certo que lá em 1920, quando surgiu pela primeira vez, a personagem foi descrita pelo próprio criador como “uma triste velha, de mais de setenta anos, trêmula, quase cega, sem dentes, já no fim da vida”. Porém, onze anos mais tarde, em Reinações de Narizinho, Lobato refaz essa descrição, inclusive rejuvenescendo em dez anos a vovó que ganha um nome: Dona Benta.

Ao contrário do que a descrição introdutória possa sugerir, basta dar continuidade à leitura para identificarmos em Dona Benta, uma vovó cheia de energia, estimuladora da cultura, que dá importância e incentiva a fantasia, a imaginação infantil, as descobertas e aventuras de seus netos. Sem bronquear, ela ainda os ajuda a resolverem seus conflitos e perturbações mais íntimas, sem podar a criatividade dos netos, na maioria das vezes por meio das histórias contadas por ela.

Um olhar mais atento à literatura nos permite entender que Monteiro Lobato foi de fato um homem à frente de seu tempo, que acreditava na educação para resolver os problemas sócio-políticos e econômicos do país, fazendo questão de manter uma constante preocupação no incentivo do leitor a liberdade de pensamento e de ação. O autor percebeu a oportunidade de repassar ao seu público, através dos seus livros,  os seus ideais e pensamentos, contribuindo diretamente para a melhora da educação no Brasil.

Nessa esteira do pensamento lobatiano, nasce então Dona Benta, personagem que em muitos aspectos se assemelha e revela uma projeção do próprio escritor. Uma semelhança que começa pelo nome Benta, feminino de Bento, mas que vai diretamente até a personalidade, os pontos de vista e a evidente tentativa de Lobato em construir uma literatura capaz de situar a criança em seu próprio mundo, por meio da contação de histórias.

De acordo com a professora e pesquisadora Vera Maria Tietzmann Silva, é possível ver em Dona Benta uma projeção do lado sábio e bem comportado, de Lobato, que assim como a personagem criada por ele, também tinha um lado simples e outro erudito. O escritor também foi proprietário rural, um incondicional amante dos livros como Dona Benta, aberto a todas as áreas do saber e que fazia circular o conhecimento, se empenhando em compartilhar suas descobertas e leituras, principalmente com os leitores em formação.

A personagem, assim como o seu criador, consegue enxergar o mundo pelo olhar da criança e no momento de contar histórias abre mão da linguagem desnecessariamente adornada dos adultos, falando à criança de um modo absolutamente simples e didático, deixando aflorar a imaginação e o faz-de-conta. Essa leveza e a sabedoria de Dona Benta, fazem dela o instrumento perfeito para Lobato falar pela voz de sua personagem, encontrando nela a solução para a necessidade de oferecer às crianças, histórias escritas numa linguagem objetiva, clara, acessível, mais próxima possível do registro coloquial.

Não há qualquer exagero em afirmar que Dona Benta é na verdade uma mediadora do saber que se comporta de maneira semelhante ao próprio autor, educando e de um modo simples, despertando através da contação de histórias o gosto pela literatura, a necessidade de adquirir e expandir o conhecimento, sem cortar o interesse, o prazer, o senso crítico e questionador das crianças.

Ainda, na opinião da professora Vera Maria Tietzmann Silva, ao criar o Sítio do Pica-Pau Amarelo, Lobato transforma esse ambiente, onde vive Dona Benta, em uma nova modalidade de escola, que leva aos jovens leitores o conhecimento curricular pela via da ficção, retirando o peso autoritário de seu mediador, não mais o professor severo, mas a avó amiga, que dá ‘sabor ao saber’.

Todos esses detalhes reforçam a certeza de que a criação da personagem não foi por acaso. O escritor demonstra a clara intenção de revelar suas próprias ideias, numa época em que a opinião masculina se sobrepunha à feminina, em que as mulheres não tinham voz. Lobato, na contramão, possibilita que Dona Benta fale em seu lugar, revelando muitos conhecimentos e propagando valores por meio da personagem.

Para a professora e pesquisadora Regina Machado, o ato de contar histórias quebra as relações tradicionais com as crianças, criando um outro contato humano, num tom mais colorido, divertido, vibrante e misterioso.

Dona Benta aparece no Sítio do Pica-Pau Amarelo como uma verdadeira educadora, que por meio de suas leituras, com a entonação certa, o vocabulário acessível às crianças, além de ensinar e estimular o hábito da leitura, evidencia a ideia do escritor de que não há assunto somente para criança ou somente para adulto.

Lobato e Dona Benta, são na verdade leitores que formam leitores e que há mais de cem anos, representam a ideia de que a transformação do mundo passa essencialmente pela educação, que precisa ser prazerosa e voltada para a mente aberta da criança, assim como as obras do criador do Sítio do Pica-Pau Amarelo.

...........................................................................................................................................................

REFERÊNCIAIS

https://anais.unicentro.br/seped/2010/pdf/resumo_182.pdf

MACHADO, Regina. Acordais: fundamentos teórico-poéticos da arte de contar histórias. São Paulo: DCL, 2004.

SILVA, Vera Maria Tretzmam. Literatura Infantil Brasileira: um guia para professores e promotores de leitura.